01/11/2013

[Resenha] Mago: Aprendiz - Raymond E. Feist





Mago #1
Aprendiz
Raymond E. Feist
Tradução por Cristina Correia
Editora Saída de Emergência
432 páginas

Na fronteira do Reino das Ilhas existe uma vila tranquila chamada Crydee. É lá que vive Pug, um órfão franzino que sonha ser um guerreiro destemido ao serviço do rei. Mas a vida dá voltas e Pug acaba se tornando aprendiz do misterioso mago Kulgan. Nesse dia, o destino de dois mundos altera-se para sempre.

Com sua coragem, Pug conquista um lugar na corte e no coração de uma princesa, mas subitamente a paz do reino é desfeita por misteriosos inimigos que devastam cidade após cidade. Ele, então, é arrastado para o conflito e, sem saber, inicia uma odisseia pelo desconhecido: terá de dominar os poderes inimagináveis de uma nova e estranha forma de magia… ou morrer.

Para quem não sabe a Editora Saída de Emergência é muito conceituada em Portugal por seus lançamentos no ramo da ficção-científica, terror e fantasia e agora, em parceria com a Sextante, ela chega ao Brasil nos proporcionando ótimos títulos e entre eles Mago.

Um dos grandes motivos de me fazerem querer ler este livro foi, além de sua capa e design, a sua sinopse que me pareceu se adequar aos moldes tão adorados como o de George R. R. Martin, mas o livro na verdade acaba se encaixando nos moldes de Tolkien e recria a fantasia épica de O Senhor dos Aneis, sem plágio, claro, mas apenas nos fazendo lembrar de alguns personagens já conhecidos no clássico do autor.

Pug e Thomas são os personagens centrais deste volume. Os amigos são inseparáveis, mas com funções diferentes. Pug é aprendiz do mago Kulgan, e Thomas é um importante soldado. Pug é bem simples e tímido, já Thomas é repleto de coragem e autoridade. Os dois me fizeram lembrar bastante algumas duplas de amigos da literatura: Jon e Sam (de A Guerra dos Tronos) e Will e Thomas (de Rangers: Ordem dos Arqueiros). Kulgan, o nosso mestre mago é assim como todos da sua espécie muito sábio e cheio de ironia.

O livro é narrado em terceira pessoa e mostra a perspectiva de vários personagens, mas sempre se voltando para Pug como o protagonista. Esse tipo de narrativa nos permite ter detalhes maiores da obra e nos aproximarmos muito mais do que o autor nos quer passar através de suas descrições detalhistas.

Apesar de ter gostado bastante da história e dos personagens, senti que o livro ficou muito denso e cansativo nas últimas páginas, pois no começo é cheio de aventura e histórias de amizades, mas logo no final fica repleto de guerra e estratégias, e vocês sabem o quanto eu não curto essa coisa de ficar fazendo estratégias e ocupar páginas e mais páginas de descrições de lutas. 

Mas isso não estragou a leitura e nem a ansiedade pelo próximo volume, afinal o destino dos personagens é traçado de uma forma muito tensa e preocupante e não há como esconder a ansiedade para saber o que aconteceu.

No final, Mago: Aprendiz é tão bom quanto as pessoas falam. Uma obra prima da fantasia épica e um agrado para os fãs de George Martin e Tolkien. Repleto de reviravoltas, ação, mortes, aventura e tensão, o livro se mostra muito importante para qualquer fã de fantasia. Recomendado!

2 comentários:

Lucas Carvalho disse...

Fiquei animadíssimo com sua resenha e pelas referências que você fez a outros livros. Não tenho dúvidas de que é um gênero que eu vou gostar bastante. Estou até agora babando na cara desse livro. Ilustração fantástica!!!

Lucas Carvalho disse...

capa*

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team